Pular para o conteúdo principal

RIAA condena mãe de quatro a pagar 1,92 mi por baixar e compartilhar 24 músicas na Internet

Condenada a pagar US$ 1,92 mi por usar Kazaa

SÃO PAULO – O segundo julgamento de Jammie Thomas-Rasset a condenou a pagar uma quantia de 1 milhão e 920 mil dólares [1,698 milhão a mais que na primeira condenação] por compartilhar vinte e quatro músicas no Kazaa.

O processo foi feito pela RIAA (Recording Industry Association of America), que já havia conseguido condená-la em um primeiro julgamento, em 2007, quando Jammie recebeu a multa de 222 mil dólares.

Fonte: INFO Online (Guilherme Pavarin)

Continua a caça às bruxas da RIAA ("Associação da Indústria de Gravadoras da América", que representa BMI, Sony, Universal e Warner Music), e dessa vez o bode expiatório foi uma mãe de quatro filhos que tinha duas dúzias de músicas no seu computador. É óbvio que a associação jamais tentará "caçar" e condenar todos os usuários que baixem e compartilhem obras na Internet, muito menos quantidade tão ínfima como 24 músicas. O objetivo da RIAA é utilizar essas pessoas como modelos, meros joguetes para coibir e amedrontar outros usuários de P2P (peer-to-peer).

Richard Koman, advogado e colunista da ZDNet, considerou "insana" a condenação. Segundo ele, a sentença deveria ser anulada porque não é suportada pelas evidências, já que se baseou nos termos do Título 17, seção 504, do Código Estadunidense (compilação e codificação de leis gerais e permanentes dos EUA). O referido dispositivo legal disciplina que o infrator de copyright poderá pagar de 750 a 30.000 dólares por infracção, ou até 150.000 dólares, caso a infracção tenha sido cometida intencionalmente/voluntariosamente ("willfully"). Ou seja, sua ação seria tão ruim que mereceria uma punição extra-severa da sociedade, o que não foi o caso, já que a punição de no máximo 30.000 dólares por infração já seria severa o suficiente para Jammie, diz Richard Koman (ZDNet), que sequer ficou convencido se Jamie sabia que o Kazaa compartilhava suas músicas automaticamente na rede. Ainda que soubesse, isso não configuraria o cometimento intencional, que, na opinião de Koman, requer "um mau ator, um corsário, um falsário, alguém que obtém lucro vendendo o trabalho dos outros".

Para o juri, o limite de US$ 30.000 por música não era suficiente, fixando em US$ 80.000, por música, a indenização a ser paga por Jamie (num total de 1,92 milhão). Trata-se de indenização a título de "danos legais" ("Statutory Damages"), que, segundo o dispositivo legal acima citado, pode ser optada pelo detentor de direitos autorais a qualquer momento, antes da decisão final, e substitui a indenização por "danos e lucros efetivos" ("Actual Damages and Profits"). No Direito brasileiro, os "statutory damages" se equiparariam a uma espécie de multa legal, não se confundindo com os danos morais, enquanto os "actual damages and profits" seriam a reparação dos danos materiais sofridos, acrescidos dos lucros obtidos pelo infrator, que também são convertidos ao detentor dos direitos autorais. Fato curioso é que o detentor precisa provar apenas a renda bruta ("gross revenue") obtida pelo infrator, a quem caberá provar qual parte dessa renda foi lucro efetivamente e o que foi despesa ou lucros atribuídos a outros fatores que não a obra protegida por copyright (U.S. Code, TITLE 15, CHAPTER 5, § 504, (b)).

Para Ray Beckerman, o exagero da decisão vem como novo argumento para aqueles que, como ele, vêm questionando a constitucionalidade das "loucas teorias" da RIAA sobre danos legais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A verdade sobre o filme Contatos de 4º Grau (The Fourth Kind)

Atenção! Contaremos trechos do filme (spoilers). Caso não tenha assistido, sugerimos que assista primeiro. O filme Contatos de Quarto Grau realmente se baseia em fatos reais? As filmagens em forma de documentário são verídicas? As pessoas que aparecem no filme existem na vida real? Eu desafio aquele que terminou de assistir ao filme e não correu para a Internet para confirmar a veracidade das imagens ali exibidas e encontrar a resposta para tais perguntas. Eis a verdade...

Fazendo Backup do Pen Drive e sincronizando os arquivos no Ubuntu com o Grsync

Este pequeno tutorial ensinará como fazer backup do pen drive no Linux e como sincronizar os arquivos, de sorte a tornar a operação mais rápida e prática. Há algum tempo procurei no Google por um programa para Linux que servisse para fazer um backup simples do meu pen drive (usb flash drive) sempre que eu o plugasse no computador. Quem já perdeu um pen drive com todos os seus dados sabe muito bem a importância disso.

Inscrições para a Universidade Pirata

Abertas as Inscrições para a Universidade Pirata (Bahia) Universidade Pirata é um projeto do Pontão de Cultura Digital juntaDados, sediado na Universidade do Estado da Bahia (UNEB) campus Lauro de Freitas (PULSAI). São oferecidos cursos, discussões, oficinas sobre ferramentas de compartilhamento, direito autoral, redes sociais, tecnologias para produção audiovisual, linguagens de programação, metareciclagem e internet. As inscrições estarão abertas até o dia 15 de abril! Fonte:  http://www.noticiaslinux.com.br/nl1269828713.html