Pular para o conteúdo principal

Acionar judicialmente o buscador é a melhor solução?

Em uma das primeiras decisões conhecidas sobre o assunto, a Justiça obrigou um site de buscas a alterar seus resultados em relação ao nome de uma pessoa, ao entender que uma notícia já antiga, publicada na internet, feria sua honra. O julgado confirma um entendimento há muito aguardado pelos advogados especializados em Direito eletrônico: na falta de regras para tratar situações específicas da internet, as possibilidades abertas pelo novo meio devem ser usadas ao extremo para a satisfação da Justiça.

A decisão, adotada em fevereiro pelo juiz Anderson Ricardo Fogaça, substituto na 20ª Vara Cível de Curitiba, obriga o site de buscas Google a atualizar o resumo de uma notícia, que aparece nas pesquisas [ver decisão]. Em 2004, o empresário Manoel Knopfholz foi condenado em primeira instância por estelionato e uso de documento falso, o que foi noticiado pela revista Consultor Jurídico. Três anos depois, Knopfholz foi absolvido em segundo grau, devido à prescrição dos crimes, o que foi novamente veiculado pela ConJur. O empresário alegou, porém, que a notícia da condenação continuava a aparecer em pesquisas no Google com o seu nome, causando-lhe prejuízos morais.

Fonte: Alessandro Cristo, revista Consultor Jurídico


No caso acima, não só o juiz ordenou que o Google informasse, no resumo do resultado da busca, que o sujeito já havia sido absolvido, como também determinou que o resultado das buscas fosse randomizado, para que a notícia da condenação não mais aparecesse em primeiro lugar nos resultados, mas sim aleatoriamente.

Guilherme Ostrock, abordando o assunto na lista de discussões do IBDI - Instituto Brasileiro de Direito da Informática, sugere a pouca eficácia da estratégia de se ajuizar ação contra o site de buscas, considerando, por exemplo, o risco do site ser superado por outro serviço, a exemplo do Bing vir a superar o Google:

Tendo isto em vista, não seria mais eficaz ajuizar a ação contra quem criou a página pedindo que a restrição fosse feita através do "disallow" de todos os "user-agents" pelo robots.txt ou usando os atributos "noindex, nofollow" para a meta tag robots?

Vejo estas como a alternativa mais viável a casos em que deseja que se implemente na marra o "direito ao esquecimento" pois fazendo a restrição no buscador, pelo nome da pessoa, p. ex. pode restringir a localização de uma página pessoal que ele venha a ter interesse em divulgar futuramente, além de prolongar a efetividade da setença no tempo caso haja uma alteração no domínio do mercado.


Essa parece ser realmente uma solução mais adequada e pontual, além de atingir o causador direto do dano, sem prejudicar os resultados de pesquisas no buscador.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A verdade sobre o filme Contatos de 4º Grau (The Fourth Kind)

Atenção! Contaremos trechos do filme (spoilers). Caso não tenha assistido, sugerimos que assista primeiro. O filme Contatos de Quarto Grau realmente se baseia em fatos reais? As filmagens em forma de documentário são verídicas? As pessoas que aparecem no filme existem na vida real? Eu desafio aquele que terminou de assistir ao filme e não correu para a Internet para confirmar a veracidade das imagens ali exibidas e encontrar a resposta para tais perguntas. Eis a verdade...

Fazendo Backup do Pen Drive e sincronizando os arquivos no Ubuntu com o Grsync

Este pequeno tutorial ensinará como fazer backup do pen drive no Linux e como sincronizar os arquivos, de sorte a tornar a operação mais rápida e prática. Há algum tempo procurei no Google por um programa para Linux que servisse para fazer um backup simples do meu pen drive (usb flash drive) sempre que eu o plugasse no computador. Quem já perdeu um pen drive com todos os seus dados sabe muito bem a importância disso.

Inscrições para a Universidade Pirata

Abertas as Inscrições para a Universidade Pirata (Bahia) Universidade Pirata é um projeto do Pontão de Cultura Digital juntaDados, sediado na Universidade do Estado da Bahia (UNEB) campus Lauro de Freitas (PULSAI). São oferecidos cursos, discussões, oficinas sobre ferramentas de compartilhamento, direito autoral, redes sociais, tecnologias para produção audiovisual, linguagens de programação, metareciclagem e internet. As inscrições estarão abertas até o dia 15 de abril! Fonte:  http://www.noticiaslinux.com.br/nl1269828713.html