terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Ativismo Digital e Protesto Cibernético

Comentar Enviar por e-mail Enviar por Twitter Publicar no Facebook Promover no Orkut Imprimir ou Converter para PDF Ouça este post Mais opções (pop-up)
Dentre os diversos desdobramentos da espetacular disrupção no status quo da indústria do jornalismo investigativo provocada por Julian Assange e o WikiLeaks, avatar cibernético da transparência e inimigo declarado da mentira institucional, figura o que parece ser a consolidação do ativismo digital em larga escala. Desde a disponibilização pública dos documentos vazados pela organização de Assange, sobretudo os registros de conversações sigilosas envolvendo autoridades diplomáticas do governo americano, o site principal do WikiLeaks e o que hospedou o incrível volume de um quarto de milhão de documentos permaneceram indisponíveis por algumas horas devido a um congestionamento de dados provocado não se sabe exatamente por quem, até que um representante da organização conseguiu escrever no seu microblog no Twitter: "Estamos no momento sob um ataque massivo de negação de serviço distribuída" (em inglês, "distributed denial of servisse", abrev. DDoS). Cerca de seis horas depois do início dos ataques o WikiLeaks anunciou os endereços (em serviços de servidores remotos localizados na França e na Irlanda) para onde havia desviado os documentos. (Logo após, um "hacktivista" autodenominado "The Jester" – "O Coringa" – reivindicou a autoria dos ataques, declarando no Twitter que havia alvejado o WikiLeaks "por ameaçar as vidas de nossos soldados e outros patrimônios.")

Adicionalmente, em razão da incerteza em torno da legalidade das operações de vazamento de documentos sigilosos, diversas empresas decidiram cortar o acesso do WikiLeaks a seus serviços, entre elas Amazon, PayPal, MasterCard, Visa e a empresa suíça de transações financeiras PostFinance. Em resposta, uma associação de hackers que se denomina Anonymous e se apresenta como defensora da liberdade na internet, organizou, durante dois ou três dias, ataques cibernéticos de "negação de serviço" (inundação do site com requisições falsas provenientes de milhares de computadores comandados à distância como se fossem escravos) contra os principais sítios daquelas empresas, forçando-os a sair do ar em detrimento dos clientes que lhe apresentavam requisições legítimas. Denominando a iniciativa de "Operation: Payback" ("Operação: Retaliação"), o grupo decide alvejar os sítios dos mais proeminentes personagens e instituições que se manifestaram aberta e, em alguns casos, agressivamente críticos do WikiLeaks, incluindo as corporações que cortaram unilateralmente o vínculo contratual com a organização liderada por Assange, o escritório de advocacia sueco Borgstrom & Bodström que representa suas supostas vítimas de estupro, o portal do procurador de justiça da Suécia à frente do processo, e políticos como o Senador americano Joseph Lieberman, e a governadora do Alasca Sarah Palin.

Inaugura-se aí definitivamente a era das batalhas cibernéticas em escala global.  John Perry Barlow, autor do célebre texto "Uma Declaração da Independência do Ciberespaço" (1996) e membro fundador da entidade de defesa dos direitos civis na internet "Electronic Frontier Foundation" (EFF), enviou mensagem pelo Twitter no primeiro dia dos ataques: "A primeira infoguerra séria está engatada. O campo de batalha é o WikiLeaks. Vocês são os soldados."

A bem da verdade, desde o surgimento da web no início da década de 1990 a população conectada cresceu de uns poucos milhões para alguns bilhões de pessoas: um fator de 1.000 em duas décadas. Nesse periodo a mídia social tem se tornado cada vez mais parte da vida contemporânea, envolvendo diversos agentes desde o cidadão comum, passando por ativistas, organizações não-governamentais, operadoras de telecomunicações, empresas de serviços na internet, e até governos. À medida em que o cenário das comunicações ganha densidade, complexidade e participação, a população conectada ganha mais acesso à informação, mais oportunidades de se engajar no discurso público, além de adquirir maior capacidade de agir coletivamente. No cenário político, as manifestações cibernéticas em favor do WikiLeaks demonstram que essa ampliação das liberdades de acesso à informação e de articulação em larga escala propiciam terreno fértil para a prática do ativismo a nível global.

Em "Politically Motivated Denial of Service Attacks" (publicado no Volume 3 (2009) da série de livros "Cryptology and Information Security" publicada pela IOS Press, intitulado "The Virtual Battlefield: Perspectives on Cyber Warfare", sob organização de Christian Czosseck e Kenneth Geers),  Jose Nazario, especialista em segurança da informação da Arbor Networks, começa lembrando que os ataques na internet assumem diversas formas, incluindo o comprometimento e até o roubo de informações, assim como a negação de serviço perpetrada com o propósito explícito de causar disrupção em sítios de serviços de internet. Diversas são as motivações para tais ataques, desde frustração, diversão, e até extorsão (nesse caso, sobretudo contra sítios de jogos de aposta). Enquanto que os ataques com motivação política são extremamente raros, conta Nazario, os tipos de ataque dependem das habilidades e das motivações de seus autores. O primeiro registro de um ataque de DDoS tirou do ar um servidor da University of Minnesota por dois dias em 1999, mas somente um ano depois ataques desse tipo vieram a atingir sítios de maior envergadura como Amazon, CNN, eBay e Yahoo, que foram todos afetados num período de 24 horas, resultando em perdas estimadas em mais de um milhão de dólares para Amazon e Yahoo juntas. Ao que tudo indica, embora somente em 2006 tenham começado a surgir ferramentas especializadas para a realização de ataques DDoS, em sua grande maioria os ataques eram tipicamente criados e coordenados por indivíduos. A paralisação da minúscula porém intensamente interconectada nação da Estônia em 2007 por grupos de ativistas russos em 2007 marcou o início do uso em massa de ataques DDoS por motivação política.

Através de uma breve análise histórica dos ataques de negação de serviço, o artigo de Nazario mostra que, embora inicialmente concebido para infligir danos na vítima em nome de uma punição qualquer, desde o "ciberconflito" acontecido na Estônia, mais e mais se observa o uso de ataques DDoS como ferramenta sofisticada de censura. E a lista de ataques significativos nessa categoria começa com vários episódios de hacktivismo na China em Abril de 2008 em resposta a comentários do jornalista Jim Cafferty da CNN sobre a preparação chinesa das Olímpiadas de Pequim que não agradaram aos chineses. Seguiram os seguintes ataques: ao portal do partido político de Gary Kasparov, então dissidente, nas eleições russas de 2007; aos portais de órgãos de imprensa da Ucrânia em Março/Abril 2008 em razão dos eventos em memória aos mortos no desastre de Chernobyl; ao sítio do presidente da Geórgia em Julho de 2008 por ocasião do conflito de seu país com a Rússia; ao portal do "Democratic Voice of Burma", partido político dissidente da Birmânia, em Agosto de 2008; ao portal do fórum MSK aliado ao governo do Cazaquistão no início de 2009, não-aliado a Moscou; a portais de ambos os lados da guerra entre Israel e Palestina na faixa de Gaza no início de 2009; aos sítios do governo do Kurguistão em 2009, ataques atribuídos ao governo da Rússia; a portais do governo do Irã em 2009 em retaliação à repressão às manifestações de rua denunciando a possível existência de fraudes nas eleições; a sítios governamentais da Coréia do Sul em 2009, simultaneamente a ataques a portais governamentais e corporativos dos EUA; aos sítios da Motion Picture Association of America (MPAA) e da Recording Industry Association of America (RIAA) assim como da British Photographic Industry em Setembro de 2010, organizados pelo "internet bulletin board" denominado 4chan em retaliação a um suposto ataque de DDoS que a própria MPAA teria incentivado a empresa indiana Aiplex Software a perpetrar contra o portal de compartilhamento de arquivos PirateBay.org.

Ao comentar sobre os ataques à MPAA, o especialista em segurança Sean-Paul Correll chamou DDoS de "o futuro dos ciberprotestos", e sua previsão não demorou para ser cumprida. A disputa entre os críticos e os defensores do WikiLeaks revela o novo cenário do ativismo na era digital. Ganha notoriedade em larga escala o grupo Anonymous, que, aparentemente inclui o 4chan, e, embora sem um porta-voz definido nem sequer revelado, se organizou em torno de uma hierarquia relativamente frouxa, desafiou associações consolidadas e diversas entidades constituídas como a Church of Scientology, a MPAA, e as instituições e as personalidades contrárias ao trabalho realizado pelo WikiLeaks.

Em artigo recentemente publicado no portal do Berkman Center (Harvard) intitulado "Distributed Denial of Service Attacks Against Independent Media and Human Rights Sites" (por Ethan Zuckerman, Hal Roberts, Ryan McGrady, Jillian York, John Palfrey, Dezembro 2010), os autores analisam especificamente o fenômeno dos ataques de DDoS em mídias independentes e organizações de direitos humanos com o objetivo de melhor compreender a natureza e a frequência desses ataques, além de sua eficácia e os mecanismos de defesa à disposição. A constatação é de que o crescimento no uso de DDoS como ferramenta para silenciar sítios de mídia independente e direitos humanos é o sintoma de um problema maior: a carência de pessoal técnico competente na administração desses sítios, além do crescente isolamento desses portais do chamado núcleo da rede. Embora ofereça recomendações úteis às potenciais vítimas desse tipo de ataque, o relatório expõe a inevitável constatação de que, para muitos sítios, não há solução fácil, particularmente para os ataques que consomem largura de banda à exaustão.

Autoria:
Ruy José Guerra Barretto de Queiroz, Professor Associado, Centro de Informática da UFPE

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails